hipófise

Qual a importância da hipófise no corpo humano?

Qual a importância da hipófise no corpo humano?

Você já ouviu falar sobre hipófise? Trata-se de uma importante glândula endócrina que possui cerca de 1 cm de diâmetro e pesa, aproximadamente, 1 g. A hipófise fica situada na base do cérebro, especificamente na região da sela túrcica, logo abaixo do hipotálamo.

Também chamada de glândula pituitária e glândula mestre, ela é multifuncional e está diretamente relacionada com o trabalho de outras glândulas do corpo.

Quer entender qual é a importância da hipófise? Leia o artigo completo e entenda quais hormônios ela secreta e quais funções essa glândula realiza no organismo. Vem conferir!

Quais hormônios a hipófise secreta?

A glândula hipófise é dividida em lobo anterior (adenohipófise) e lobo posterior (neurohipófise). Os dois lobos estão ligados ao hipotálamo por meio de uma haste que contém prolongamentos das células nervosas (axônios ou fibras nervosas), bem como, vasos sanguíneos.

O hipotálamo controla o lobo anterior através da liberação de hormônios pelos vasos sanguíneos de ligação. Já o lobo posterior é controlado pelos impulsos nervosos do hipotálamo. O primeiro lobo, quando estimulado pelo hipotálamo, secreta hormônios como GH, TSH, LH e FSH. Já o segundo lobo é responsável por armazenar e secretar hormônios como ocitocina e DH.

Vale ressaltar que os hormônios produzidos e secretados pela hipófise não são fabricados e liberados de maneira contínua. A liberação ocorre em intervalos, em períodos que alternam atividade e inatividade. Determinados hormônios acompanham o ritmo cardíaco, com subidas e descidas ao longo do dia. Outros fatores também podem interferir na produção hormonal. É o caso do ciclo menstrual, por exemplo.

Quais funções essa glândula realiza?

A hipófise secreta hormônios essenciais, como o hormônio do crescimento, hormônio estimulador da tireoide, hormônio adrenocortical, hormônio luteinizante, hormônio foliculoestimulante, entre outros. Sendo assim, impacta diretamente a atuação de outras glândulas, a exemplo das adrenais, ovários, testículos, tireoide, etc.

Além disso, a hipófise armazena e libera hormônios produzidos pelo hipotálamo e cumprem o papel de promover a contração uterina e regular o equilíbrio de água e eletrólitos.

Qual é a importância da hipófise, afinal?

A hipófise é fundamental para a saúde, isso porque ela é responsável pela síntese de hormônios no sistema endócrino e atua efetivamente no controle funcional da vários órgãos. Entre outras funções que cabem à hipófise, ela interfere na filtragem de fluidos pelos rins, estímulo às contrações uterinas durante o trabalho de parto, promoção do crescimento e desenvolvimento estrutural do organismo, formação e secreção do leite materno pelas glândulas mamárias.
Essa glândula também é importante na coordenação do metabolismo das células que compõem a região cortical da suprarrenal, o que influencia no controle hídrico. Para completar, regula a tireoide e tem ligação com a saúde reprodutiva, já que o trabalho da hipófise se relaciona com o desenvolvimento dos gametas, liberação do óvulo, produção de testosterona, entre outras atividades.

Quer saber um pouco mais sobre a hipófise? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter. Ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em São Paulo!

Posted by Dra. Adriana Pessoa in Todos
Tumores da hipófise: sintomas e tratamentos

Tumores da hipófise: sintomas e tratamentos

A hipófise, também chamada de pituitária, é considerada a principal glândula do corpo humano e está localizada na base do cérebro. A sua principal função é regular as outras glândulas do corpo, como a adrenal, a tireoide, os testículos e os ovários. Chamamos de tumor de hipófise quando há um aumento excessivo de tecido e células dentro da hipófise.

As causas para o aparecimento do tumor da hipófise são desconhecidas, mas sabe-se que em uma pequena porcentagem de pacientes ele aparece devido a histórico familiar.

Tipos de tumores da hipófise

Os tumores da hipófise podem ser de dois tipos: adenoma ou craniofaringioma. O mais frequente são os adenomas, tumores benignos que não se espalham pelo organismo. Em alguns casos essas mutações podem ser transmitidas hereditariamente, dos pais para os filhos.

Com menor incidência, o craniofaringioma se origina dos restos embrionários das células que deram origem à glândula.  Normalmente se trata de um tumor congênito presente desde o nascimento, mas que pode se desenvolver lentamente até a idade adulta. Os craniofaringiomas são geralmente benignos, porém podem causar sintomas pelo crescimento do tumor e consequente compressão de estruturas adjacentes.

Sintomas do tumor da hipófise

Por controlar outras glândulas do corpo a produzir seus hormônios, quando surge um tumor nessa região, vários sintomas podem estar presentes, como alterações na tireoide, infertilidade ou aumento da pressão, por exemplo. Normalmente, os sintomas estão relacionados aos hormônios afetados.

Se houver alteração na prolactina, por exemplo, pode causar diminuição da libido e alterações menstruais. Alterações no hormônio do crescimento podem gerar dores articulares, crescimento dos pés e das mãos e diabetes.

O diagnóstico de tumor na hipófise é feito com base nos sintomas e por meio de exames de sangue e exames de imagem como ressonância magnética ou tomografia computadorizada, em alguns casos, o médico pode solicitar uma biópsia.

Tratamentos tumor da hipófise

O tratamento para um tumor da hipófise depende do tipo de tumor, do tamanho e do seu crescimento no cérebro. Eles podem ser tratados com medicamentos, radioterapia, cirurgia ou com a combinação de tratamentos. A indicação dependerá de outros fatores como idade do paciente, saúde e estilo de vida.

Normalmente, a cirurgia é indicada para os casos de tumores grandes, com compressão de estruturas vizinhas. Existem dois tipos de cirurgias, a transesfenoidal e a cirurgia por via transcraniana. A primeira opção é a mais utilizada e é feita com uma incisão dentro do nariz, com anestesia geral. A cirurgia por via transcraniana é feita diretamente no crânio, com um corte lateral ou superior da calota craniana. A cirurgia é realizada com anestesia geral.

A escolha e acompanhamento do tratamento deve ser feito pelo neurologista e endocrinologista, com exames que devem ser realizados regularmente.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em São Paulo!

Posted by Dra. Adriana Pessoa in Todos