diabetes

Perigos do Não Tratamento Adequado da Diabetes

Perigos do Não Tratamento Adequado da Diabetes

Você sabia que a diabetes atinge aproximadamente 425 milhões de pessoas em todo o mundo. Só em nosso país são mais de 12 milhões de brasileiros convivendo diariamente com esse problema sério de saúde.

Diabetes é uma doença crônica, ou seja, não tem cura. Felizmente ela tem tratamento para controle, sendo que a abordagem terapêutica adequada é capaz de proporcionar maior qualidade de vida e bem-estar aos diabéticos, além de diminuir significativamente o risco de complicações.

Quem entender a importância do tratamento correto da diabetes e descobrir quais são os reais perigos de não tratar essa condição adequadamente? Leia o artigo completo e fique por dentro do assunto.

Sem tratamento o risco de doenças cardíacas aumenta

Deixar de tratar a diabetes é um grande perigo para o coração. A diabetes do tipo 2 aumenta o risco de doenças cardíacas em até 4 vezes. Isso acontece porque diabéticos apresentam mais chances de apresentar agravantes como hipertensão e colesterol alto, dois dos principais fatores de risco para o infarto, por exemplo.

Há o perigo de lesões oculares

Um dos principais fatores causadores de cegueira adquirida em países ocidentais é justamente a diabetes não tratada. Quando a diabetes do tipo 2 fica descompensada e os níveis de glicose sobem, a tendência é que a tensão arterial aumente e isso favoreça o surgimento de leões oculares irreversíveis. Por isso é tão importante controlar a diabetes.

O diabético que não trata a doença é propenso a lesões renais

Os rins também sofrem caso a diabetes não seja devidamente tratada. Níveis elevados de glicose no sangue, juntamente com tensão arterial aumentada, podem causar alterações no funcionamento dos rins, atrapalhando, desse modo, a filtragem do sangue e eliminação de resíduos tóxicos para organismo.

Há chances elevadas de complicações nos pés

Quem não trata a diabetes está mais exposto a complicações nos pés. Isso mesmo! Diabéticos que não controlam a doença podem sofrer com lesões nos nervos das pernas e pés, além de problemas circulatórios, infecções e ferimentos difíceis de sarar. A presença de úlceras nos pés (pé diabético), a depender da gravidade, pode levar à necessidade de amputação.

A ausência de tratamento pode desencadear problemas dentários

A diabetes também pode causar problemas nos dentes e gengivas. Vale destacar que a glicose descontrolada pode aumentar as chances de infecções gengivais. E, se de fato houver uma infecção na gengiva, há um risco aumentado de subida na glicemia, dando origem a um ciclo de complicações.

Também existe o risco de disfunção sexual

Estudos recentes apontam que a diabetes não tratada pode resultar em lesões nos nervos reguladores da resposta sexual. Além disso, pode comprometer negativamente as artérias que conduzem o sangue até os órgãos sexuais. Tal situação, pode, por conseguinte, ocasionar problemas de ereção ou desordens ejaculatórias nos homens. Já nas mulheres, pode ocorrer dificuldades na lubrificação vaginal e libido.

Quer saber mais sobre diabetes? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em São Paulo!

Posted by Dra. Adriana Pessoa in Diabetes
Diabetes Mellitus

Diabetes Mellitus

Você já ouviu falar muito do Diabetes Mellitus (DM) e com certeza conhece alguém portador dessa enfermidade. Porém você realmente sabe do que se trata?
O diabetes mellitus não consiste em uma única doença. É composto por um grupo heterogêneo de enfermidades as quais possuem em comum o aumento de glicose (açúcar) no sangue – denominada de hiperglicemia. A hiperglicemia ocorre por um defeito na fabricação ou ação da insulina.

O que é Insulina?

A insulina constitui o hormônio produzido no pâncreas pelas células beta sendo responsável pela entrada de glicose na célula. Ou seja, sem a insulina o açúcar da alimentação fica na corrente sanguínea e o paciente desenvolve diabetes mellitus. Uma doença crônica, atualmente sem cura, a qual acarreta sérias complicações caso não seja bem tratada.

Quais são os tipos de Diebetes Mellitus?

Os tipos mais comuns de diabetes são: tipo 1 e tipo 2.
O diabetes tipo 1 é causado pela destruição da célula beta, geralmente por mecanismos auto imunes. Há presença de anticorpos que destroem o pâncreas endócrino. Portanto, não ocorre produção de insulina. Corresponde de 5 a 10% dos casos.
O diabetes tipo 2, por sua vez, é decorrente de uma resistência na ação da insulina. Há hiperglicemia associada a aumento da insulina no sangue no início da doença. Com o passar do tempo ocorre falência pancreática e diminuição da produção desse hormônio. As causas do diabetes 2 são inúmeras; predisposição genética, envelhecimento, grande ingestão calórica, obesidade, acúmulo de gordura abdominal, sedentarismo e baixo peso ao nascer, alteração do sono. Corresponde aproximadamente 90 a 95% dos casos.

Outros tipos de Diabetes Mellitus

  • Defeitos genéticos na função da célula beta ou na ação da insulina
  • Doenças endocrinológicas
    • Síndrome de Cushing
    • Feocromocitoma
    • Acromegalia
    • Glucagonoma
    • Vipoma
  • Diabetes induzido por drogas ou agentes químicos
    • GH (hormônio de crescimento)
    • Glicocorticóides
    • Antipsicóticos atípicos: olanzapina, clozapina
  • Infecções
    • Rubéola
    • Citomegalovírus
    • Coxsackie
    • Adenovírus
  • Diabetes Gestacional

Prevalência do Diabetes tipo 2

A prevalência mundial do diabetes tipo 2 em 2014 era de 422 milhões pessoas acometidas (dados da Organização Mundial de Saúde). Este a procentagem de pessoas com esta doença aumentou de  4.7% em 1980 para 8.5% em 2014 .

Por que a prevalência aumenta?

A população mundial está se alimentado de forma cada vez pior. O número de pessoas com sobre peso e obesidade está em ascendência. O sedentarismo também desempenha um papel importante no desenvolvimento do diabetes. Outro fator importante é a diminuição de horas de sono, está comprovado que dormir mal aumenta o risco desta enfermidade.

Portanto o aumento da prevalência do diabetes tipo 2 reflete os maus hábitos dos indivíduos em todo planeta.

Por que o Diabetes é tão nocivo?

A hiperglicemia crônica acarreta o desenvolvimento de complicações nos pequenos vasos sanguíneos da retina (no olho), no rim, e nervos periféricos. Essas alterações são características de todas as formas de diabetes.
Como conseqüência dessas complicações microvasculares, o diabetes constitui a principal causa de cegueira, insuficiência renal terminal e neuropatia debilitante.
Esta doença também é responsável pelas doenças macrovasculares ateroscleróticas – formação de placa de gordura nos vasos sanguíneos. Ocorre comprometimento das artérias que irrigam o coração, o cérebro e as extremidades inferiores. Assim o paciente diabético possui maior risco de desenvolver Infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e amputação dos membros inferiores.
Você já percebeu o quanto é importante diagnosticar e tratar o DM, pois as conseqüências dessa doença tão prevalente são devastadoras.

Será que eu tenho Diabetes?

Em média, quando é feito o diagnóstico de DM o paciente já é portador da doença por 6 anos. Trata-se de uma enfermidade insidiosa que muitas vezes não causa sintomas.

Os principais sintomas são:

Muita sede (polidipsia)
Urinar mais que o habitual (poliúria)
Perda de peso inexplicável
Fome excessiva mais que o habitual (polifagia)

O diagnóstico de Diabetes Mellitus

  • Sintomas de DM e glicemia > 200mg/dL (colhida independente da última refeição)
  • Glicemia de jejum > 126mg/dL (mínimo 8 horas de jejum, deve ser repetida pelo menos uma vez)
  • Glicose plasmática 2h após sobrecarga > 200mg/dL (sobrecarga de 75g de glicose)
  • Hemoglobina glicada > 6,5%

Quem deve ficar atento?

Todos os pacientes com idade acima de 45 anos devem se submetido à dosagem de uma glicemia de jejum.
Caso apresente um dos fatores abaixo também é conveniente que procure um médico:
Obesidade (IMC >25kg/m2)
Parente em primeiro grau com DM
Hipertensão arterial (PA > 140x90mmHg)
Alteração do colesterol
DM gestacional prévio ou recém nascido com peso > que 4 kg

É possível prevenir o DM?

É possível sim prevenir o DM tipo 2. Seguir uma alimentação saudável e praticar exercícios físicos são os passos iniciais. Outros hábitos relacionados ao aumento do risco são: tabagismo, consumo excessivo do álcool e aumento do peso acima do normal.

É importante também realizar exames periódicos para checar a glicemia e outros parâmetros associados a esta doença.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto.

Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em São Paulo.

Posted by Dra. Adriana Pessoa in Todos
Diabetes e Gestação

Diabetes e Gestação

Controlar a glicemia (níveis de açúcar no sangue) é fundamental durante a gestação .Mulheres que já são portadoras de diabetes mellitus (tipo 1 ou 2) devem procurar um  endocrinologista antes de engravidar.  Este cuidado prévio diminui significativamente a chance de mal formações no feto e acontecimento de aborto espontâneo quando existe uma relação entre diabetes e gestação.

Quais cuidados se deve ter durante a Gestação?

A recomendação é que a glicemia se aproxime o máximo dos valores normais sem aumentar o risco de hipoglicemia (açúcar baixo no sangue)

Para pacientes que já estão em uso de insulina, é ideal otimizar a medicação. Múltiplas doses deste hormônia durante o dia ou utilização de bomba de insulina. Os análogos de insulina de ação lenta (insulina glargina e detemir) são utilizados com segurança na gestação, assim como as insulinas de ação rápida (lispro e aspart).

Embora o custo seja maior, comparado a NPH e regular, o controle da glicemia atingido mais facilmente durante a gestação.

Suplementos e Seguimento

Uso de ácido fólico: é recomendado começar a suplementação de 5 mg de ácido fólico pelo menos 3 meses antes de engravidar. Desta forma é possível diminuir o risco de mal formação neurológica

Pacientes com diabetes mellitus devem procurar o oftalmologista. O objetivo é avaliar a saúde dos olhos antes de interromper o uso de anticoncepcionais. Uma vez que a gestação pode agravar a retinopatia

Outros cuidados que devem ser tomados

Rins e função renal: importante realizar exames para avaliar a função renal

Pressão arterial: ideal controlar a pressão (<130x80mmHg) antes de tentar engravidar. Verifique com seu obstetra quais medicações adequadas para atingir este alvo. Inibidores da enzima conversora de angiotensina e bloqueadores do receptor de angiotensina – captorpil , enalapril, ARAII,  podem provocar mal formações no feto, principalmente a partir do 2º trimestre)

Medicações que devem ser evitadas e Doenças Associadas

Medicações como estatinas e fibratos para diminuir o colesterol e triglicérides devem ser interrompidas durante agestação

Função tireoidiana: importante avaliar através de exames laboratoriais o bom funcionamento da glândula tireoide e a presença de anticorpos (anti tireoglobulina e anti peroxidase)

Obesidade: é altamente recomendado que mulheres acima do peso e diabéticas emagreçam antes de engravidar. Uuma vez que a obesidade também está relacionada a complicações durante a gestação

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em São Paulo.

Referência:

  1. Diabetes and Pregnancy: An Endocrine Society Clinical Practice Guideline
Posted by Dra. Adriana Pessoa in Todos
O Mal dos Adoçantes Artificiais

O Mal dos Adoçantes Artificiais

Pode parecer difícil de acreditar mas o consumo de refrigerante diet é tão nocivo para a saúde quanto a versão normal. Esta foi a conclusão que os pesquisadores da Universidade de Purdue chegaram após revisarem diversos trabalhos científicos¹.

Segundo os autores o uso de adoçantes como  aspartame, sucralose, sacarina está relacionado a maior incidência de aumento de peso excessivo, síndrome metabólica, diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares.

Uma provável explicação, de acordo com a autora Susan Swithers, seria que estas bebidas doces e sem calorias resolveria a vontade do organismo em consumir algo doce; no entanto o efeito é o contrário. O açúcar falso do refrigerante diet engana o cérebro, acarretando um aumento do apetite para compensar este erro. O resultado: você ingere maior quantidade de calorias.

Alterações Metabólicas

Ocorre uma alteração metabólica no organismo de pessoas que consomem alimentos artificialmente adoçados. Fisiologicamente há uma modificação dos hormônios que regulam os níveis de açúcar no sangue (glicemia) e da pressão arterial.

Outro fator demonstrado recentemente foi que o consumo de adoçantes artificiais alteram a flora intestinal. O estudo científico² publicado em 2014 na revista médica Nature explica com detalhes esta correlação.

Portanto, não se engane. Os alimentos e bebidas dietéticas podem fazer mal para sua saúde. A palavra chave é moderação.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em São Paulo

 

¹(Artificial sweeteners produce the counterintuitive effect of inducing metabolic derangements, publicado em 2013 no Trends in Endocrinology & Metabolism).

²Artificial sweeteners induce glucose intolerance by altering the gut microbiota ,  publicado em 2014 na revista médica Nature

Posted by Dra. Adriana Pessoa in Todos