Novidades Congresso Americano, Endo 2019

Endo 2019

De 23 a 26 de março, a Endocrine Society realizou a 101ª edição do seu congresso anual, o ENDO 2019 em Nova Orleans EUA. É um imenso privilégio acompanhar mais um congresso internacional e trazer para você as maiores novidades e estudos mais recentes sobre o tema de Endocrinologia.

1. Como o “Big Data” vai mudar a saúde e a prestação de serviços na Medicina

O fácil acesso a grandes volumes de dados em tempo real já mudou a forma como as pessoas compram, dirigem e obtêm informações.

O Dr. Califf (MD Professor de Cardiologia e vice-chanceler de Ciência de Dados de Saúde na Universidade de Duke School of Medicine )discutiu algumas das possíveis mudanças na forma como a saúde é avaliada e administrada durante a sessão plenária da manhã de segunda-feira, no ENDO 2019.

Igualmente, o  Dr. Google já é o primeiro lugar que a muitas pessoas procuram informações de saúde, observou Califf. Por isso, não é surpresa que uma das empresas-irmãs do Google, a Verily, esteja fortemente envolvida na coleta  de dados da pesquisa em saúde.

O Project Baseline, uma joint venture entre Duke, Stanford University, Verily e Google, visa mapear a saúde humana, coletando e analisando dados abrangentes de saúde.

Informações abrangentes começam com dados clínicos, registros eletrônicos de saúde, dados de sinistros, laboratórios e imagens. Em seguida, vêm os dados em casa sobre o sono, comportamento, medicamentos, peso e outros. A peça mais importante são os elementos remotos, como uso celular, fatores socioeconômicos, localização.

Mais de 30 sistemas de saúde que cobrem cerca de um terço das populações dos EUA já se juntaram à PCORnet, uma rede de pesquisa de dados clínicos, alimentadas por pacientes e pelos  planos de saúde. Contudo, o programa é financiado pelo Instituto de Pesquisa de Resultados Centrados no Paciente.

Espera-se que esse volume de dados atinja oito terabytes por paciente até 2032, um aumento de 1.600 vezes em relação aos dados de saúde individuais disponíveis hoje, continuou ele. A chave é garantir que seja usada para gerar evidências para informar decisões úteis para melhorar a saúde e não vender produtos adicionais. O FDA já criou um caminho crítico para a implementação e o NIH está trabalhando em um roteiro. A PCORNet já está conduzindo testes clínicos.

Vamos aguardar o futuro.

2.Pesquisadores ligam produtos químicos em poeira doméstica ao desenvolvimento de células de gordura

Pesquisadores da Escola do Meio Ambiente da Universidade de Duke ligaram substâncias químicas disruptoras do sistema endócrino na poeira doméstica comum à saúde metabólica das crianças que moram nessas casas.

O estudo analisou a poeira de 194 casas da Carolina do Norte. Pesquisadores extraíram substâncias químicas da poeira em seu laboratório e testaram sua capacidade de promover o desenvolvimento de células adiposa (de gordura)  em um modelo celular.

“Descobrimos que cerca de 80% dos extratos de poeira promoviam o desenvolvimento significativo de células adiposas. Algumas dessas amostras de poeira fizeram isso através da diferenciação das células com células de gordura maduras, que medimos o acúmulo de lipídios, e outras fizeram isso através de uma proliferação dessas células precursoras de adipócitos ”, disse o pesquisador Dr. Kassotis.

A equipe de pesquisa analisou mais de 100 substâncias químicas diferentes na poeira e descobriu que cerca de 70 delas tinham uma relação positiva significativa com o desenvolvimento de células adiposas induzidas pela poeira, e cerca de 40 estavam ligadas ao desenvolvimento de células adiposas precursoras.

No futuro, a pesquisa examinará os produtos químicos específicos, encontrados em produtos domésticos comuns, para determinar quais podem estar relacionados à obesidade.

Considerando que o excesso de peso é um problema mundial que vem aumentado, esta descoberta pode trazer benefícios importantes.

3.O uso de opioides em longo prazo tem consequências hormonais negativas

Outra consequência negativa do uso prolongado de opioides são as deficiências hormonais que afetam a função sexual e a produção de corticosol, de acordo com uma pesquisa da Holanda apresentada no sábado no ENDO 2019.

Pesquisadores realizaram uma revisão sistemática de 52 estudos publicados antes de maio de 2018, observando quais hormônios podem ser afetados pelo uso prolongado de opioides e qual a porcentagem de pacientes com déficit hormonal. Eles restringiram sua revisão ao uso prolongado de opioides por mais de seis meses.

O estudo constatou que entre 3.250 pacientes em 15 estudos, até 65% dos homens que usavam opióides em longo prazo tinham deficiência de testosterona (hormônio masculino). Uma condição que leva à disfunção erétil, infertilidade, queda de pelos, massa muscular e desenvolvimento de tecido mamário.

Além disso, os pesquisadores descobriram que até 19% dos 207 homens e mulheres com uso prolongado de opióides apresentavam diminuição do cortisol, com sintomas como fadiga, problemas psicológicos e fraqueza muscular.

O estudo sugere que pessoas com uso prolongado de opióides devem ser testadas para deficiências hormonais, para que possam receber tratamento adequado.

4.Oxitocina mostra promessa como tratamento da obesidade

A pesquisa apresentada no ENDO 2019 indicou que uma formulação nasal do hormônio oxitocina pode ser eficaz no enfraquecimento dos sinais de recompensa do cérebro. Uma possível medicação para tratar os excessos que levam à obesidade.

“Descobrimos que uma dose única de ocitocina intranasal comparado ao placebo atenuou significativamente a conectividade funcional entre a área tegmental ventral (VTA) e as principais áreas de motivação alimentar”. Disse a investigadora principal Liya Kerem, MD, um pediatra endocrinologista do Hospital MassGeneral.

Os pesquisadores usaram ressonância magnética funcional (fMRI) para investigar como a oxitocina afeta a conectividade funcional entre a VTA e o resto do cérebro. Eles mostraram imagens de alimentos altamente calóricos, bem como alimentos de baixa caloria e objetos não alimentares para homens saudáveis ​​com sobrepeso e obesos uma hora após a administração da dose de ocitocina. Estudos anteriores mostraram que indivíduos com obesidade têm áreas de recompensa cerebral anormalmente hiperativadas quando visualizam as fotos de alimentos calóricos.

Observou-se que a dose de oxitocina enfraqueceu a área cerebral associada à motivação alimentar, quando os participantes do estudo viram as fotos de alimentos altamente calóricos. O efeito foi visto apenas em resposta à visualização de alimentos altamente calóricos e não em resposta às outras imagens.

Certamente, este resultado pode implicar em menor vontade de consumir estes tipos alimentos. Além de auxiliar no controle do impulso de “comer por ansiedade”.

Estudos adicionais são necessários e estão atualmente ocorrendo para explorar o potencial papel da oxitocina como agente terapêutico. Mas já é um bom começo para um novo tratamento.

5.Estudo mostra melhorias da Síndrome dos Ovários Policísticos quando exposta ao microbioma intestinal saudável

Pesquisadores utilizaram camundongos para demonstrar que a exposição a uma microbioma intestinal saudável melhorou os sintomas da síndrome dos ovários policísticos (SOP) em um estudo apresentado no ENDO 2019.

“Os resultados sugerem que a modulação do microbioma intestinal pode ser uma terapia potencial para a SOP”. A investigadora Varykina Thackray, PhD, realizou o trabalho  na Universidade da Califórnia em San Diego”.

Ela observou que estudos anteriores mostraram que o microbioma intestinal em mulheres com SOP tem menos biodiversidade. O aumento da testosterona, que é um sintoma desta síndrome, tem sido associado a alterações no microbioma intestinal.

“Nós identificamos uma bactéria, o coprobacilo, que poderia potencialmente ser um probiótico. Podemos testar como um tratamento para proteger ou prevenir o desenvolvimento de sintomas semelhantes à SOP, ”disse o Dr. Thackray. “O que é interessante é que o coprobacilo foi proposto como um novo probiótico. Por isso estamos muito interessados ​​em acompanhar isso em estudos futuros.”

6.A recuperação dos efeitos adversos de Drogas Anabolizantes geralmente é lenta

Pesquisadores do Instituto de Pesquisa ANZAC da Universidade de Sydney estudaram 93 homens. Incluíram 41 que atualmente usam andrógenos (hormônio masculino), 31 que usaram andrógenos três ou mais meses antes do início do estudo, e 21 homens saudáveis ​​que se exercitam, mas não utilizam andrógenos. Eles foram submetidos a exames físicos e ultra-sonografias testiculares. Os participantes também forneceram amostras de sangue e sêmen.

“A função testicular suprimida do abuso de andrógeno é principalmente reversível, exceto para o volume testicular, e a recuperação é muito prolongada, levando entre nove e 18 meses”, disse Nandini Shankara Narayana, MBBS, FRACP.

Pesquisadores do Instituto de Pesquisa ANZAC da Universidade de Sydney e Concord Repatriation General Hospital estudaram 93 homens, incluindo 41 que atualmente usam andrógenos, 31 que usaram andrógenos três ou mais meses antes do início do estudo, e 21 homens saudáveis ​​que se exercitam, mas não Use andrógenos. Eles foram submetidos a exames físicos e ultra-sonografias testiculares. Os participantes também forneceram amostras de sangue e sêmen.

Os homens que atualmente usam andrógenos tinham um tamanho médio dos testículos significativamente menor. Ex-usuários não diferiram dos não-usuários na produção de espermatozóides ou nos níveis hormonais, indicando recuperação, de acordo com Dr. Shankara Narayana.

Observou-se que levou uma média de nove meses a partir do momento em que eles pararam de usar andrógenos até que os níveis de LH se recuperassem. A produção de esperma voltou ao normal em 14,2 meses.

7.Estudos em camundongos apontam para benefícios do de Jejum Intermitente no crescimento de tumores de câncer de mama

De acordo com um estudo com modelo de camundongo, o jejum intermitente pode ajudar a prevenir o câncer de mama.

A pesquisa, realizada na Universidade da Califórnia, em San Diego, considerou limitar as refeições a uma determinada janela do dia. Restringir o consumo alimentar  ao período ativo, melhoraria a saúde metabólica e, portanto, diminuiria o risco de câncer de mama.

Em uma série de três experimentos descritos por Manasi Das,os pesquisadores provocaram a menopausa nos camundongos removendo seus ovários. Em seguida, induziram a obesidade através de uma dieta rica em gordura. Os camundongos obesos na pós-menopausa foram divididos em dois grupos. Um com acesso 24 horas à comida e outro com restrição alimentar a oito horas durante o período mais ativo. Os ratos obesos foram comparados a um grupo de ratos com uma dieta de baixo teor de gordura.

Todos os ratos foram injetados com células de câncer de mama três semanas após o início dos horários de alimentação. O crescimento do tumor foi medido periodicamente.

Contudo, no segundo estudo, os ratos foram geneticamente modificados para desenvolver câncer de mama e divididos em dois grupos. Um tinha acesso 24 horas a alimentos com alto teor de gordura, e o outro tinha uma dieta rica em gorduras com restrição de tempo. O crescimento do tumor foi medido periodicamente.

Por fim, o terceiro estudo considerou o papel do aumento da insulina. Um grupo de camundongos com uma dieta de baixo teor de gordura sendo equipado com uma bomba de insulina e outros recebendo solução salina. Outro grupo foi alimentado com uma dieta rica em gordura, incluindo diazóxido para reduzir a insulina. Um grupo controle de dieta rica em gordura também foi monitorado. Mais uma vez, os pesquisadores mediram o crescimento do tumor.

Todavia, ao longo de todos os três estudos, os pesquisadores descobriram que os ratos com jejum intermitente tiveram um atraso no desenvolvimento do tumor. Além disso, reduziram o crescimento do tumor em ratos obesos em uma dieta rica em gordura a níveis observados em camundongos magros. Camundongos com a bomba de insulina tiveram crescimento tumoral mais rápido que o grupo controle. Por outro lado, os ratos com o diazóxido para reduzir a insulina reduziram o crescimento do tumor.

“A mensagem de nosso estudo é que não é apenas o que você come. Também é importante quando você come ao inibir o câncer de mama sem usar qualquer tipo de intervenção na dieta”, disse o Dr. Das.

8.Pesquisa associa a exposição do BPA a mudanças no ritmo circadiano

Pesquisadores da Universidade de Calgary descobriram que a exposição ao bisfenol A (BPA) durante a gravidez pode levar a mudanças nos ritmos circadianos. Causando um aumento na hiperatividade, de acordo com um estudo de ratos relatado no ENDO 2019 no domingo.

Ao observar duas populações de camundongos, uma exposta ao BPA in utero e outra sem exposição ao BPA, os pesquisadores constataram que os camundongos BPA são mais hiperativos.

Portanto, para avaliar o efeito do BPA nos ritmos circadianos, eles colocam os ratos na escuridão total. Os camundongos expostos ao BPA tiveram um aumento na atividade total ,a duração da atividade e ciclo claro-escuro.

“Mas o que é notável é que há uma mudança no período circadiano”, observou ela. “Eles encolhem o seu período circadiano.” disse o Dr. Kurrasch.

9.O diretor do NIH compartilha como transformar a Genômica em medicina de precisão

Mapear o genoma humano foi um bom começo. No entanto, transformar os dados genômicos em medicina de precisão é um processo meticuloso. Alimentado por rápidos avanços tecnológicos e queda de custos, segundo Francis S. Collins, MD, PhD, diretor do National Institutes of Health.

“O custo do sequenciamento de um único genoma caiu de US $ 100 milhões em 2001 para cerca de US $ 850 hoje”, disse Collins.

Contudo, cerca de 98% do genoma humano não codifica proteínas, continuou ele.  O NIH lançou uma variedade de bancos de dados e ferramentas genômicas gratuitas e publicamente acessíveis. ENCODE, a Encyclopedia of DNA Elements, é um catálogo crescente de elementos funcionais dentro do genoma humano.

Similarmente, o GTEx, é uma combinação de banco de dados. Ele é  focado nas formas pelas quais variações genômicas podem afetar a suscetibilidade a doenças.

O próximo passo é o All of Us, uma coorte longitudinal de pelo menos um milhão de pessoas que vivem nos Estados Unidos. Os participantes fornecem dados detalhados de saúde, dados de sensores (como pulseiras que medem atividade física) e amostras biológicas. Todos são pré-aceitos para pesquisa.

Primeiramente o projeto já tem mais de 203.000 inscritos, relatou o Dr. Collins, e mais de 50% já concluíram a triagem básica, a coleta de dados e a coleta de amostras.

Em princípio, este é o maior projeto de pesquisa na história do NIH com um milhão de participantes. “Estamos analisando tipos de pesquisas que nunca antes foram possíveis. Fatores de risco genéticos e ambientais que contribuem para disparidades no diabetes.”

Ademais, os resultados da pesquisa serão quase gratuitos. Só é preciso fazer as perguntas certas.

10.Novas metas para doenças relacionadas à idade

De fato, um alfabeto de doenças do Alzheimer ao AVC compartilha uma característica comum: todas estão relacionadas ao envelhecimento. Um crescente corpo de evidências sugere que o próprio envelhecimento resultam do acúmulo gradual de células senescentes.

Jan van Deursen, PhD, presidente da Biologia Molecular da Mayo Clinic, discutiu as evidências mais recentes de células senescentes. Um possível  um alvo para melhorar o envelhecimento e doenças relacionadas à idade. Ele também está envolvido em uma empresa de biotecnologia que testa agentes destinados a quebrar as células senescentes, a senólise.

A senescência celular leva ao envelhecimento de várias maneiras, ele explicou. A senescência pode levar à depleção e disfunção de células-tronco. Também incentiva a arquitetura do tecido aberrante e estimula a inflamação em todo o corpo.

Experiências com camundongos confirmam a presença de um número crescente de células senescentes à medida que os camundongos envelhecem prematuramente. Tratar os camundongos, removendo as células senescentes, interrompe o envelhecimento precoce e prolonga a vida útil em 25 a 30%.

Certamente, a senólise também pode estabilizar placas aterogênicas maduras, protegendo os camundongos contra efeitos como o derrame. No cérebro, a limpeza de células senescentes previne a neurodegeneração e o declínio cognitivo (demência).

“Temos dados pré-clínicos muito promissores, mas alguns cuidados são necessários”, disse van Deursen. “Nosso conhecimento de células senescentes in vivo permanece limitado. A senólise pode ter efeitos prejudiciais, incluindo redução da vigilância imunológica e reparo e regeneração tecidual prejudicados”.

Como as células cancerígenas e as células senescentes compartilham vulnerabilidades, deve ser possível adaptar os agentes antineoplásicos às células senescentes. As limitações usuais no tratamento do câncer, resistência a medicamentos e eficácia inferior a 100%, não se aplicam à senólise.

Portanto, remover a maioria das células senescentes, não todas,  parece proporcionar o efeito terapêutico desejado. Ensaios clínicos estão em curso na osteoartrite e retinopatia diabética. Será que no futuro poderemos contar com esta tecnologia médica?

 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter. Ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em São Paulo!

Comentários
Dra. Adriana Pessoa

Posted by Dra. Adriana Pessoa