Comida x Emoção

Não é de surpreender que muitas pessoas estejam estressadas. Uma pesquisa de 2017 da Associação Americana de Psicologia (APA) descobriu que dinheiro, trabalho, crime, violência, clima político e o futuro da nação são fatores estressantes para os americanos, e muito provavelmente para os brasileiros também.

Embora o estresse possa ser ruim para o corpo, a forma como as pessoas lidam com ele podem ser ainda mais prejudiciais à saúde. Um estudo demonstrou que quase 40% dos adultos relataram comer demais ou consumir junk food em resposta ao.

Relação Comida x Estresse

O hormônio cortisol aumenta com o estresse crônico e pode levar ao aumento do apetite. No entanto, com a mesma frequência, a comida é usada como uma “estratégia entorpecente”. Pode ser interpretado como uma tática de distração. Da mesma maneira como algumas pessoas podem usar álcool ou drogas como formas de criar um amortecedor entre si e quaisquer sentimentos difíceis estão experimentando.

Comer pode até desencadear algumas das mesmas reações neurológicas que as drogas fazem, embora em menor grau. A pesquisa de imagens cerebrais mostrou que, quando as pessoas consomem carboidratos e açúcares, “pode ​​realmente ativar os centros de prazer do cérebro”. Alguns estudos mostraram que o açúcar, como a heroína ou a cocaína, pode fazer com que a dopamina, substância química, ative o núcleo accumbens, a parte do cérebro responsável pelo prazer e pela recompensa. O açúcar também pode liberar opioides endógenos, os analgésicos naturais do corpo, o que cria um efeito agradável.

Mas, assim como drogas e álcool, comer emocional é um paliativo para o estresse, ao invés de uma cura. Uma resposta mais saudável é reconhecer que o estresse e as emoções negativas acontecem, e que temos que encontrar formas sustentáveis ​​de enfrentá-los.

Como saber se você está estressado

Enquanto algumas pessoas propositalmente e conscientemente mergulham em um litro de sorvete depois de um dia de tentativas, outros podem insistir em comer sem nem mesmo saber.

Para evitar uma alimentação irracional, é importante entender a diferença entre a fome emocional e física. Antes de abrir um saco de batatas fritas, é importante averiguar como você está se sentindo física e mentalmente. A fome parece diferente para todos, mas muitas vezes é acompanhada por sintomas físicos como um estômago roncando ou vazio, pouca energia e dor de cabeça. Se você deseja comer petiscos sem nenhum desses sinais físicos, pode simplesmente estar à procura de conforto ou distração.

Como parar de comer por estresse

Quando você está no meio de uma situação estressante, praticamente qualquer distração saudável – como dar um passeio, tomar ar fresco, fazer uma meditação rápida guiada ou chamar um amigo – pode ajudá-lo a evitar o consumo de junk food. Beber água também pode ajudar, já que algumas pessoas costumam confundir fome e sede.

 

Mas, a longo prazo, chegar à raiz do estresse é mais importante do que parar de fazer lanches no momento. Hábitos saudáveis como exercícios, sono e nutrição adequada são todos os apaziguadores do estresse sustentáveis. E se você lutar consistentemente com o estresse emocional ou alimentar, pode valer a pena falar com um profissional, para  ajudá-lo a resolver os problemas subjacentes.

É importante prestar atenção aos nossos sentimentos antes que eles se tornem tão intensos que não possamos pensar com clareza. Comer por estresse está acontecendo porque há uma necessidade emocional que não está sendo satisfeita.

Mas também é importante reconhecer que suas emoções vencerão de vez em quando – se martirizar por ocasionalmente escolher esta saída só aumentará seu estresse. Portanto quando acontecer estas escorregadelas o importante é deixar o passado para traz e voltar para linha da alimentação saudável.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter. Ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista em São Paulo!

Referência

  1. Stress and Eating

 

Comentários
Dra. Adriana Pessoa

Posted by Dra. Adriana Pessoa